Veja dicas para definir a suspensão de carro

Você em certo momento já ouviu falar em suspensão de carro, tenho convicção disso! No entanto, no momento em que dizemos sobre suspensão, você pensa que é somente uma mola relacionada à roda do automóvel. Não é mesmo? Errado! Observe o motivo!
Nós iremos falar aqui relativamente mais no que diz respeito aos 3 modelos de suspensões , na direção de ajudar você a fazer a mais apropriada seleção para seu adorado automóvel.
A suspensão requer a sua atenção, visto que é um dos sistemas mais imprescindíveis para o funcionamento adequado de um veículo. É justamente ela quem garante a estabilidade do automóvel e absorve os choques do automóvel com o solo, propiciando um maior conforto ao motorista e os acompanhantes.
É bastante relevante que o condutor fique atento ao comportamento da suspensão de seu carro e a mantenha com as suas devidas revisões.
No Brasil, os 3 principais e mais usuais modelos de suspensão são o fixo, a ar e rosca. No entanto, muitas pessoas não compreendem exatamente como funcionam esses três tipos de suspensão, as principais características e particularidades.

Suspensão a ar

suspensao-ar A suspensão a ar está cada vez mais habitual e no imaginário daqueles que almejam rebaixar o seu carro, no entanto quem pensa que ela é uma descoberta recente, está completamente equivocado!
Ela existe a contar dos anos 1940, período em que se buscava uma alternativa a fim de aprimorar a estabilidade dos carros de competição nos Estados Unidos.
A primeira suspensão a ar segura a qual podia possuir uma utilidade prática foi desenvolvida pela Firestone especificamente para o último exemplar Stout Scarab Experimental, revelado em 1946, que ainda foi o primeiro carro com carroceria de fibra de vidro no mundo.
O princípio era o mesmo dos sistemas modernos: quatro bolsas de ar substituíam as molas convencionais, e possuíam sua pressão controlada por quatro pequeninos compressores ligados a cada uma das bolsas.
Essencialmente, a suspensão a ar é o utilização de bolsas de material elastômero, comumente borracha sintética trefilada ou poliuretano, colocadas em conjunto ou substituindo a suspensão mecânica natural de um veículo. São apresentadas em inúmeros formatos, dimensões e capacidades de carga.
Estas bolsas de ar podem ser infladas mudando o agrupamento original com o intuito de equilibrar uma carga a mais nivelando o automóvel.
No lugar das molas são colocadas essas bolsas de ar que farão a ajustagem de altura do veículo. Ao restringir o ar, o automóvel levanta e quando o conjunto é ligado novamente, o ar é lançado de dentro das bolsas para o lado de fora, fazendo dessa maneira com que o automóvel se rebaixe completamente.
Contudo, tem a indispensabilidade de um dispositivo que controle a altura de rodagem. Esse dispositivo se chama válvula niveladora, que preferencialmente tem necessidade de ser eletrônica, visto que o condutor raramente pode executar esta ajustagem.

PROS

  • Ajuste de altura e maneio em tempo real. Lombadas tornam-se obsoletas!
  • Preservação de componentes baixos e caros e prevenção de estragos ao chassi.
  • Molas de ar progressivas, demasiadamente iguais às suas molas helicoidais.
  • Níveis ajustáveis das molas.
  • Altamente adaptável.
  • Não há outro jeito de adquirir uma altura rebaixada e continuar funcional.
  • Adaptação instantânea a aumento e mudança de peso.
  • Reduza a estatura do veículo sem sacrificar a qualidade da condução.
  • Chamar atenção em qualquer lugar que estacionar!

CONTRAS

  • É mais oneroso do que suspensões de molas helicoidais.
  • O procedimento de instalação é mais difícil.
  • O processo de instalação é mais caro.
  • Mais componentes são precisos.
  • Em certos casos são necessárias mudanças permanentes de chassi.
  • Já mencionamos que é bem caro?

Curiosidades em relação às suspensões a ar

curiosidades-suspensao-ar

  1. Posso acionar a suspensão com o carro movimentando-se?
    Afirmativo, você é capaz de estar ligando a suspensão a ar com o automóvel se movimentando, sem complicações.
  2. Qual o benefício de utilizar suspensão a ar?
    Se preferir por utilizar um sistema de suspensão a ar no seu veículo terá várias vantagens como: não ter que se importar mais com lombadas, quebra molas e outros obstáculos, dado que poderá subir e descer o sistema de suspensão sempre que for necessário.
  3. Como é recarregado o ar que a suspensão utiliza?
    O modo mais prático e eficaz de se carregar o ar utilizado no sistema de suspensão é utilizando um compressor, que, de modo geral, já acompanha o kit de suspensão a ar.
  4. Posso usar compressor de pneus na minha suspensão a ar?
    Diversas pessoas tentam usar compressor de pneu na suspensão, e isso, além de produzir significativos riscos à segurança do automóvel, inclusive compromete a finalidade da sua suspensão. Os compressores para pneus não têm a mesma pressão que os compressores apropriados para suspensão a ar.
  5. Quais veículos são capazes de receber suspensão a ar?
    A suspensão a ar é capaz de ser utilizada em quase todos os modelos de carros.
  6. As bolsas correm risco de estourarem?
    Se o kit de suspensão a ar que você estiver utilizando for de ótima qualidade, não. Mas sempre é interessante levar o veículo para uma verificação de rotina, assim você certifica-se de que está tudo bem com seu carro. De modo geral, um kit de suspensão a ar é capaz de durar demasiado tempo caso sejam feitas as devidas conservações.

Suspensão a Rosca

Sua atividade ocorre por intermédio de um dispositivo constituído de um tubo roscado e flange, que unidos são interligados aos amortecedores ou diretamente no eixo traseiro do veículo, possibilitando que seja feita a ajustagem de altura exclusivamente com o rosqueamento a mão do sistema.
A suspensão a rosca fornece maior movimentação, e é capaz de ser boa para quem procura encarar diversos modelos de terrenos, visto que ela pode ser controlada de modo manual.
Para quem deseja tunar o veículo é benefício instalar esse kit, além de ser de valor mais em conta que a suspensão a ar, esse kit confirma total proteção e estabilidade ao veículo.

PRÓS

pros-contras-suspensao-ar

  • Mais garantida que a suspensão a ar.
  • Despesa bastante baixa.
  • Estabilidade ( já que você não tem o risco de romper uma bolsa em uma curva)
  • Custo/Benefício
  • Simplicidade de modificação na altura: Em cinco minutos você abaixa ou sobe as 4 rodas
  • Durabilidade: Ferro tem maior durabilidade do que borracha

Desvantagens

  • Recomendamos comprar novos amortecedores em todo o caso do vendedor da suspensão, ou encontrar onde ele compra e comprar do mesmo padrão, a fim de não alterar a compressão dos amortecedores.
  • Toda vez que mudar a estatura você vai perder o alinhamento.

Suspensão Fixa

Esse tipo de suspensão é constituído por um conjunto com quatro amortecedores e quatro molas preparadas. Com este modelo, o veículo pode ser rebaixado a uma altura exata ideal para o veículo, proporcionando maior aconchego e segurança.
É bem usada por quem possui um automóvel de alto desempenho, com motores prontos para perfazer enormes velocidades, dado que costumam precisar de mais estabilidade e, por essa razão, o apropriado modelo é a suspensão fixa, que é capaz de ser fixada na altura ideal para o padrão e o perfil de chão que seu automóvel enfrentará.

Como é feito a transformação enfim?

modificacao-suspensao-fixa Há duas maneiras de efetivar projetos de suspensão fixa:
Cortando, Esquentando ou Prendendo as Molas com Presilhas: Além de ilegal ( pois não autorizam a normalização junto ao DETRAN), esta prática é extremamente arriscada, já que alteram a estrutura das molas originais e acrescem o risco de acidentes por ruptura;
Empregando Molas Esportivas : Feitas especialmente para o layout do carro por fabricantes de molas e amortecedores, equipa o agrupamento de suspensão respeitando a legislação de trânsito, quer dizer, além de eficiente também evita sanções e tomada do veículo, visto que podem ser facilmente regularizados.

Suspensão reforçada

É um grupo de molas, amortecedores e barras estabilizadoras. Nos carros off-road é habitual constatar molas semi-elípticas ou helicoidais e Duplo A – um tipo de suspensão -, que são mais corpulentas e reforçadas para suportar intensas pancadas.

Distinção Entre Suspensão Preparada E Molas Cortadas

Ao dizer que possuímos um veículo com suspensão preparada, estamos falando que o automóvel é, em outras palavras, rebaixado.
Para os amantes de carros baixos, o procedimento mais confiável e mais certo para modificar seu automóvel é preferindo por suspensões, isto é, o carro vai trabalhar com sua altura modificada, porém o aconchego e a segurança continuam!
Muitas pessoas escolhem rebaixar seu carro cortando as molas da suspensão. Este terminantemente não é o modo apropriado, pois no momento em que você corta as molas, o veículo trabalha com a altura do amortecedor diminuída fazendo assim com que aquele amortecedor não receba choque mas sim a mola, o transformando naquele famoso veículo “Pula-Pula”.
No momento em que você trabalha com a suspensão preparada, o agrupamento mola e amortecedor já vem no tamanho adequado para se obter o amortecimento, fazendo com que a suspensão opere com mais conforto, absorvendo, de uma maneira mais aprazível, os choques obtidos pelo conjunto de suspensão.
Por este propósito, no momento em que decidir por rebaixar seu automóvel, pense em primeiro lugar fazer um serviço que assegure sua segurança e seu bem-estar e que não venha trazer posteriores complicações para seu automóvel.

A suspensão é semelhante para todos os veículos?

suspensao-veiculos-igual Cada modelo de veículo possui um tipo de suspensão e, no total, somos capazes de encontrar três padrões: independente, semi-independente e totalmente dependente.

  • No modelo independente, cada roda recebe os impactos das irregularidades do chão sem deslocar à outra do mesmo eixo;
  • No semi-independente, parte dos impactos é deslocado para a outra roda;
  • No modelo dependente, os processos de uma roda são notados nas outras rodas do eixo.

De acordo com do modelo do automóvel, há a possibilidade de existir dois tipos de suspensão: uma traseira e a outra na frente.

Conheça o sistema de suspensão

Molas e amortecedores

Ligados, mola e amortecedores compõem a essencial atividade de amortecimento em relação à oscilação do chão. Em razão da sua flexibilidade, a mola é o item mais eficiente a fim de filtrar as imperfeições do solo. Já o amortecedor opera em agrupamento com a mola para amenizar as falhas da pista.
Por agirem em conjunto, no geral os dois têm de ser verificados no momento em que o veículo alcança os 20 mil quilômetros rodados e trocados aos 40 mil quilômetros rodados, ou segundo a indicação de cada fabricante.
Em alguns casos, o veículo pode chegar a rodar até cinquenta mil quilômetros sem a essencialidade da troca e com funcionamento em ótimo estado. No entanto, com a má qualidade de grande parte das vias públicas do Brasil, praticamente a todo o momento cheias de buracos, e rodovias de terra ou de trechos ruins, é importante que o condutor fique atento.
Existe a possibilidade de descobrir problema nos amortecedores caso o veículo mostre oscilação na carroceria em linha reta e com barulhos vindos da suspensão. Já nos amortecedores, os defeitos podem ocorrer antes mesmo que eles comecem a acometer a estabilidade do veículo ou fazer barulho.
Por esse motivo, sempre que for fazer um alinhamento ou balanceamento, peça ao profissional para ele dar uma constatada se não existe vazamento ou se as hastes estão limpas.

Braço oscilante

braco-ocilante O braço oscilante similarmente é um dos segmentos da suspensão de carro e tem como propósito servir de suporte para a coluna de suspensão, que é articulável.
Caso o motorista sinta certa divergência ao apanhar a direção, seguida de algum barulho na suspensão, pode ser que as buchas do braço oscilante estejam gastas ou danificadas, sendo necessário trocá-las.

Pivô de suspensão

O pivô de suspensão atua para o bom funcionamento do braço oscilante. Isto pois, sua função é a de ajudar a coluna de suspensão em seu movimento, proporcionando o ângulo de oscilação do braço. Se estiverem gastos, acarretarão ruídos que são capazes de servir de alarme ao condutor.

Barra estabilizadora

Esse componente é responsável pela estabilidade do automóvel em altas velocidades, em retas e curvas. Além do mais, a barra estabilizadora origina a ligação entre as colunas de suspensão e é fixada à carroceria por buchas de ligação, e às colunas por meio de bieletas.
Essas são partes que previnem que o carro se apoie nas rodas ao realizar uma curva, ajudando a controlar o equilíbrio da lataria e, portanto, prevenindo fatalidades. Assim como os demais itens, a falta de estabilidade e ruídos são capazes de indicar um vestígio de mau desempenho da barra estabilizadora.

Kits de suspensão – custo e conteúdo

Kit de suspensão comum

kit-suspensao-comum O kit, que normalmente é composto por coxim (com e sem rolamento), batente e coifa, é capaz de variar o valor conforme fabricante e distribuidora.
Em geral, o kit sai numa média de R$ 600 reais, no entanto é capaz de chegar a valer R$1000 conforme a distribuidora.

Kit de suspensão a rosca

O kit de suspensão a rosca inclui os itens: 2 OU 4 AMORTECEDORES PREPARADOS (REMANUFATURADO), QUATRO MOLAS ESPECIAIS, 4 CONJUNTO DE REGULAGEM (ROSCADA/USINAGEM CNC), 1 PAR TELESCOPIO – (ENCURTADOS COM CUBOS E ROLAMENTO).
O custo do kit é capaz de oscilar entre R$600 e R$1000, variando de montadora para montadora e, também, do tipo do veículo.

Kit de suspensão a ar

A suspensão ar contém particularmente os consecutivos utensílios: compressor, cilindro, relógios, bolsas.
Atualmente o custo de um kit de suspensão a ar também é bastante caro, apesar disso bastante recompensador. Um kit integral varia de R$2500 a R$3500 Reais. Já um kit mais simples sem o compressor custa de R$1500 a R$2500. O diferencial é que sem o compressor o cilindro não infla sozinho, e sendo assim o motorista tem que completá-lo com ar.

Quais são os contras da suspensão modificada?

Caso você pense em alterar a suspensão do seu carro, fique alerta às responsabilidades que você tem a necessidade de possuir antes e durante a direção do automóvel.

Transformação nas molas

Antes de executar alguma modificação nas molas é primordial saber que os fabricantes usam softwares para o seu dimensionamento, dado que o cálculo abrange um enorme número de fatores como quantidade de elos, diâmetro, comprimento, carga, grau de inclinação dos elos, tensão máxima de cisalhamento do material, entre outras.
Além dessas condições, os engenheiros fazem avaliação da geometria da suspensão a fim de descobrir as solicitações a que essa mola estará sujeita e, por fim, são recomendados os métodos térmicos que serão aplicados durante o processo construtivo.
Por isso, técnicos em suspensões não sugerem qualquer retrabalho (como é chamada a alteração) nas molas com o intuito de reduzir seu tamanho, seja o aparo de determinados vínculos, grampos ou até mesmo aquecimento. Esse último produz um alívio de tensões no material e minimiza a distância entre os elos, reduzindo o comprimento inteiro da mola.
Em um primeiro minuto, esses retrabalhos parecem suprir às perspectivas dos consumidores, porém, no médio prazo, complicações aparecem: amortecedores estourados, trincas na longarina, trincas no túnel e batentes dos amortecedores estragados poderão ser os primeiros agravos.
Se tiver vontade de alterar as molas, mais específicos são os kits de molas esportivas, específicas para cada modelo de automóvel. Além de dimensionadas pelo fabricante, elas garantem a redução da altura com algum conforto e, especialmente, fornecem uma aliviada aos demais itens da suspensão de carro.

Deve-se evitar altas velocidades

alta-velocidade Todos entendemos que os veículos originais de fábrica são condicionados em diversos testes de durabilidade e desempenho. Dispositivos particularmente desenvolvidos para esse objetivo detectam possíveis defeitos de projeto e instituem os limites de fadiga de materiais e, ainda assim, e com toda esta estrutura, os defeitos surgem.
A condição fica mais delicada no momento em que o projeto original é modificado, por esse pretexto é primordial não utilizar altas velocidades. O estouro de um amortecedor ou quebra de uma mola é capaz de colocá-lo em uma ocasião desagradável caso você encontre-se além de 100 quilômetros por hora.
Tem uma consciência muito grande entre quem gosta de fazer alterações. A grande parte sabe que possui veículos especiais e que este fato é digno de atenção redobrada em comparação aos zelos com conservação preventiva. Dessa forma, acabam sendo mais cuidadosos do que diversas pessoas que mantêm seus veículos como foram produzidos.
Eles têm noção que, a qualquer vestígio de oscilação ou ruído, deve-se estacionar o automóvel e elaborar um exame detalhado das partes envolvidas na personalização.

Se for alterar, precisa regularizar!

Não é só ter vontade, tomar conta do veículo e saber da lei. Modificar o veículo abrange uma série de questões burocráticas. Veja a seguir o passo a passo:

  1. Confira se a alteração a qual procura instituir no veículo é autorizada (resoluções 291 e 292 de 29/08/2008 do Contran)
  2. Solicite ao delegado do Detran autorização preliminar para modificação das propriedades originais do veículo
  3. De posse dessa autorização preliminar mais a nota fiscal dos serviços executados no carro, busque um posto de inspeção permitido pelo Inmetro para fazer a análise da atual suspensão
  4. Caso seu carro seja aprovado, você vai receber o Certificado de Segurança Veicular (CSV) expedido pelo Inmetro
  5. Para terminar, é necessário conduzir o CVS ao Detran para registrar as mudanças e alterar o registro do automóvel, o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV), abarcando no campo de observações do arquivo a altura da atual suspensão, mensurada do chão ao farol do veículo.

Entenda que, mesmo portando a documentação legalizada, a maioria das empresas de seguro não cobre os sinistros de carros rebaixados. Mais um porquê para não exagerar.
Pretende fazer outras modificações no carro? É importante dar uma olhada nas resoluções de número 291 e 292 de 29/08/2008 as quais lidam estritamente das modificações.

O QUE ASSEGURA A LEI a respeito da suspensão de carro?

lei-suspensao-carro Alterada no período de 2014, a resolução 479/2014 muda o artigo 6º da resolução 292/2008, a qual coibia o uso de suspensões com regulagem de estatura, bastante em razão dos caminhoneiros os quais rebaixavam as suspensões frontais do caminhão a fim de adquirirem o aspecto intitulado como “verdureiros”.
Com a atual resolução, o que ficou registrado foi que para os automóveis que possuírem modificação na suspensão, deve haver observação no Certificado de Registro de Veículo (CRV) e no Certificado de Licenciamento de Veículo (CRLV) informando a vigente estatura do veículo, mensurada do chão ao ponto do farol baixo (original) do automóvel.
Ainda consistem as exceções de que:

  • Os automóveis têm que ter peso bruto total de até três toneladas e meia;
  • A altura mínima de rodagem (medida do solo até o ponto mais baixo do chassi) tem que ser de 10cm;
  • O conjunto de rodas e pneus não pode encostar em nenhuma peça da lataria durante o esterçamento.

Mesmo com a mudança do artigo 6º da lei, o artigo 8º da mesma lei não foi alterado e defende:

  • Uso de rodas ou pneus que excedam os limites externos dos para-lamas do automóvel;
  • Extensão ou diminuição do diâmetro externo do conjunto pneu/roda;
  • Modificação das características originais das molas do automóvel, inserção, exclusão ou alteração de dispositivos da suspensão.

MOLAS ESPORTIVAS: Uma saída

Como debatido previamente neste artigo, embora seja uma prática comum, rebaixar o automóvel exige uma sucessão de responsabilidades para realizar a mudança respeitando a legislação e conservar a segurança.
Levando em consideração os ganhos e perdas de cada uma das possibilidades de utilização, as molas esportivas são as mais aconselhadas, dado que têm o menor preço entre as opções que são capazes de ser legalizadas e possuem fabricação com as características típicas para o modelo do veículo, o que garante segurança para você e seu carro.

Suspensões de carro a ar Castor

A Castor é uma especialista no que se refere a suspensões. A empresa fornece diversos tipos de kits dependendo da essencialidade de instalação do seu veículo.
Entre seus produtos de suspensão a ar, podemos achar:

  • Amortecedores, Bloco/Válvulas Solenóides
  • Bolsas de Ar
  • Compressores
  • Controladores
  • Filtro de Ar
  • Grife e Acessórios
  • Mangueira/Conexões
  • Manômetros
  • Ponta de Eixo
  • Proteção Elétrica
  • Reservatorio de Ar
  • Suporte de Cilindro
  • Alvará e Atualizações

Você pode entrar em contato com a Castor no endereço, por meio do telefone e whatsapp e/ou através website da loja.

Veja dicas para definir a suspensão de carro
Avalie esta postagem

Deixe uma resposta

Scroll to top